sábado, 12 de dezembro de 2009

Navegar em hipertexto

Navegar na Internet é uma experiência parecida quando estamos em lugar desconhecido, quando estamos à procura de um endereço, mas não sabemos ao certo onde ele fica. Então, vamos andando, andando e, cada esquina, encontramos coisas diferentes, às vezes, até nos assustamos e voltamos; outras vezes, paramos para admirar, para pedir informações.
Assim, também é a experiência de navegar pelos hipertextos, são muitos os caminhos, as direções, a cada clique uma nova surpresa, às vezes também nos assustamos com o que vemos, com o que lemos; voltamos rápido para outra direção; outras vezes, pela curiosidade, seguimos em frente e vamos descobrindo mais e mais coisas interessantes ou não.
Navegando pela Internet, também corremos o risco de nos perder pelos caminhos, de perder a direção e, muitas vezes até de nos esquecer aquilo que estávamos procurando, ou seja, de perder o foco.
Assim é navegar na internet...

Navegação à deriva


Quem navega à deriva
sabe que há vida além dos mares nos mapas
além das bússolas, astrolábios, diários de bordo
além das lendas dos monstros marinhos, dos mitos
quem navega à deriva
acredita que há nos mares miragens, portos
inesperados, ilhas flutuantes, botes e salva-vidas
água potável, aves voando sobre terra, vertigem
quem navega à deriva
aprende que há mares dentro do mar à vista
profundidade secreta, origem do mundo, poesia
escrita cifrada à espera de quem lhe dê sentido
quem navega à deriva
se perde da costa, do farol na torre, dos olhares
atentos, dos radares, das cartas de navegação
imigra para mares de imprevista dicção.

Marcus Vinicius


Volta

Nenhum comentário:

Figuras de Linguagem IV